Posts

,

Como organizar a Ceia de Ano Novo

Estamos caminhando para o final de 2018 e para o início de mais um ano que vem cheio de expectativas boas! Para iniciar 2019 com todo gás, nada mais justo do que realizar uma comemoração altura para desfrutar desse momento que é sempre muito especial para vivenciar com as pessoas queridas.

Leia mais

Dicas para a organização da sua Ceia de Natal

Preparar a ceia de Natal exige organização, tempo e empenho para que tudo corra dentro do esperado. Por isso o blog Elegância a Mesa separou algumas dicas para você organizar sua ceia de Natal com a família e amigos de maneira simples porém confortável e tranquila.

Leia mais

Melhorando seu atendimento ao cliente, parte 3

Melhorar o atendimento ao cliente é necessário por uma razão muito simples: ajuda a fidelizar a carteira de clientes do seu bar, restaurante ou cafeteria. Na última parte da nossa série, vamos falar sobre o feedback dos clientes.

Os emoticons das redes sociais já chegaram aos negócios analógicos: lojas perguntam nossa opinião com carinhas sorridentes ou chateadas, pesquisas pipocam no seu celular quando você visita um lugar… o objetivo deste bombardeio de mini questionários é básico: angariar a opinião favorável e desfavorável dos clientes para colocar seu estabelecimento em um ranking alto ou baixo de uma lista online.

Não é possível lutar contra esta maré de opiniões pela Internet, mas você pode usar a ideia em beneficio próprio preparando breves questionários sobre o atendimento ao cliente. Estas mini pesquisas podem te ajudar muito a melhorar o atendimento, já que você pode perguntar sobre todos os tipos de assunto, por exemplo:

  • Tratamento cortês ou descortês dos garçons ou recepcionistas;
  • Tempos de espera para ser atendido;
  • Conforto das cadeiras;
  • Aparência e limpeza do uniforme dos garçons;
  • Limpeza de toalhas e talheres;

Um conselho: se você for pedir para seus clientes que dediquem alguns minutos para preencher um questionário de satisfação que vai ser tão útil, tenha a gentileza de oferecer um café depois da sobremesa, ou alguns docinhos caseiros… são presentes de pouco valor para você, mas que conseguirão valorizar seus clientes e fazer com que voltem a visitar seu restaurante, bar ou cafeteria.

Com isso concluímos nossa série sobre atendimento ao cliente. E você, qual sua dica para manter seus clientes sempre satisfeitos com o atendimento?

Melhorando seu atendimento ao cliente, parte 2

Melhorar o atendimento ao cliente é necessário por uma razão muito simples: ajuda a fidelizar a carteira de clientes do seu bar, restaurante ou cafeteria. Na primeira parte da nossa série de posts sobre o assunto, falamos sobre o Guia de Atendimento ao Cliente. Hoje, trataremos do profissionalismo.

Certamente já aconteceu com você alguma vez: ao entrar em um bar ou restaurante, o garçom nem levanta a vista… você acaba de comer o couvert e o tempo passa como se você não existisse… esta invisibilidade é uma das coisas que mais incomodam os clientes, uma falha tremenda no atendimento ao cliente de um restaurante que provoca centenas de fechamentos todos os anos.

Como você pode evitar que seu pessoal esqueça que os clientes são o mais importante do seu negócio? São várias formas, por exemplo as seguintes:

– Tente contratar apenas verdadeiros profissionais do setor: homens e mulheres que tenham uma formação na área ou já tenham trabalhado muitos anos no segmento;

– Treine bem seus novos garçons e atribua a eles um supervisor durante pelo menos os três primeiros meses de trabalho;

– Penalize o atendimento ruim e premie o atendimento com excelência: o reforço positivo é a melhor forma de conseguir resultados. O atendimento ao cliente deve ser a hora onde sua equipe mais pode brilhar.

Na próxima parte da nossa série, vamos abordar a questão do feedback dos clientes.

Melhorando seu atendimento ao cliente, parte 1

Melhorar o atendimento ao cliente é necessário por uma razão muito simples: ajuda a fidelizar a carteira de clientes do seu bar, restaurante ou cafeteria. E conseguir atrair clientes que voltem a visitar nosso negócio é um autêntico desafio em um pais como o nosso, com uma forte cultura de restaurantes e gastronomia. Além disso, estamos vivendo em um momento onde as redes sociais tem multiplicado o poder de comunicação, e críticas de clientes em suas páginas do facebook, twitter ou instagram podem arruinar um negócio em dois dias.

Você sabe qual é um dos erros mais graves que você pode cometer como administrador de um restaurante? Deixar que cada empregado trabalhe da forma que achar melhor. Elaborar um Guia de Atendimento ao Cliente que seja curto, claro e preciso não apenas te permitirá criar seu próprio procedimento de trabalho, mas também evitará perder muitas horas educando novos funcionários, e mais ainda, evitará que o seu pessoal se deixe levar pela intuição e trate seus clientes como acharem melhor em cada momento.

O guia de atenção ao cliente é um documento pessoal do seu negócio que pode ser elaborado da forma que você quiser, mas nossa recomendação são alguns pontos chave comuns a qualquer negócio de gastronomia.

Cumprimentos de boas-vindas e despedida: bom dia, boa tarde, olá, adeus, tenha um bom dia… anote claramente as fórmulas de cortesia que seus garçons e recepcionistas devem pronunciar quando um cliente entra pela porta, e não permita que deixem de fazer a saudação mesmo que estejam tendo o pior dia de suas vidas.

Tu ou você: Se você gerencia um local informal, seu pessoal pode dirigir-se a seus clientes por “tu”, mas se seu bar, restaurante ou cafeteria adota um tom mais sério e profissional, anote no seu roteiro que os funcionários devem dirigir-se aos clientes por “você”, e até pelo inevitável
“senhor” ou “senhora”.

Tempo de atendimento personalizado: Na hora das refeições, o caos quase sempre está servido, e logicamente isto pode afetar no correto atendimento ao cliente. A melhor maneira de controlar o descontrole do excesso de trabalho é seguir um procedimento claro de tempos de atendimento personalizados para cada cliente, ou seja, quanto tempo o cliente pode estar sentado sem um menu em mãos, quantos minutos ele deve olhar o menu, qual o tempo máximo que pode transcorrer entre o primeiro e o segundo prato… Controlar os tempos de atendimento ao cliente em cada mesa ou zona é algo difícil a princípio, mas quando o pessoal se acostuma, o trabalho flui naturalmente.

Na próxima postagem, vamos falar sobre o profissionalismo.

Como aproveitar seu tempo e rentabilizar seu restaurante

Se você está há muito tempo no negócio de restaurantes, você sabe o quão rápido o tempo “some”, não é? Os dias que parecem tão compridos às 7 da manhã se tornam nada quando sua agenda está cheia de obrigações: ir ao mercado, negociar com fornecedores, contratar empregados, mediar disputas entre os funcionários, revisar a contabilidade, pagar as contas, atender os clientes, ajudar na cozinha, pensar no marketing…

Sem exageros: o dia a dia normal de qualquer proprietário ou gerente de restaurante é uma loucura, uma maratona de trabalho onde o tempo não é aliado, senão um inimigo a vencer.

Por este motivo, redigimos o post de hoje, um texto que traz três chaves para aproveitar melhor seu tempo em um bar, restaurante, cafeteria, pizzaria ou churrascaria sem acabar com sua saúde e desfrutando do trabalho que você escolheu.

Chave numero 1: a agenda

Elaborar uma agenda diária é a primeira chave para aproveitar melhor seu tempo e o do pessoal da cozinha e salão. Anote as tarefas que você precisa fazer todos os dias e os tempos que você dedica a cada coisa. Uma vez feito isso, revise-a da forma mais objetiva possível, com atenção especial ao tempo que cada tarefa leva.

É importante perguntar-se: “Parece muito tempo? Pouco? Justo?” “Será que posso reduzir? Como?” “Será que posso dedicar mais tempo a uma dessas tarefas para melhorar os resultados?”

Agora, leia novamente todas as tarefas que você anotou, e pense sobre elas: “Só eu posso realizar estas tarefas? Ou algum funcionário pode assumi-las?” “Estas tarefas são diárias por obrigação? Alguma pode ser feita a cada dois ou três dias?”

Se você dedicar um pouco do seu tempo para o exercício de organizar a agenda, você irá, no mínimo, ter uma visão mais clara e objetiva de como o seu tempo é ocupado; ter uma lista de tarefas diárias que pode delegar para outras pessoas; e identificar tarefas que consumem muito tempo, te esgotam e impedem que você aproveite melhor seu tempo de trabalho, tornando-o mais rentável.

Chave numero 2: a arte de delegar

Praticamente todos os livros de auto-ajuda e desenvolvimento pessoal coincidem na importância de saber delegar. Este conselho é mais valioso ainda se falamos do setor de restaurante e hotelaria, trabalhos duros e exigentes a vários níveis: emocional, físico e econômico.

Assim, a segunda chave para aproveitar melhor seu tempo é simples e complicada ao mesmo tempo: encontrar uma ou mais pessoas de total confiança nas quais você possa delegar parte de suas responsabilidades.

Não precisa ser um sócio ou parceiro, e tampouco uma única pessoa que seja seu ‘dublê’. Você pode voltar a olhar sua agenda semanal e escolher algumas tarefas para delegar para outros profissionais ou empresas. Por exemplo:

  • Se você dedica parte do seu dia trabalhando no bar, preparando sucos ou cafés, pense na possibilidade de contratar um atendente extra que se ocupe do seu turno. Este tempo liberado permitirá que você faça melhor outros trabalhos mais rentáveis como por exemplo pensar em promoções para o restaurante, elaborar menus criativos com o chef de cozinha, negociar com fornecedores para baixar preços, procurar equipamentos novos em oferta, etc.
  • Se você dedica tempo demais revisando faturas e a contabilidade em geral, reflita sobre a qualidade do trabalho que o seu contador ‘da vida toda’, se talvez ele não esteja prestando o serviço que você precisa e você não se dá conta em função do excesso de trabalho.
  • Se  você perde muitas horas da semana resolvendo conflitos entre empregados, talvez seja uma boa ideia escolher um deles para que ocupe o papel de mediador. Assim você deixa de ser o “cara ruim” e aproveita melhor seu tempo com o que você realmente deseja fazer: gerenciar um restaurante rentável.

Chave numero 3: o descanso do corpo e mente

A terceira chave que permitirá a você aproveitar seu tempo como gerente de um bar, restaurante ou cafeteria é muito simples, mas quase nenhum profissional a coloca em prática: descansar corpo e mente, dedicar um tempinho todos os dias para praticar esportes, desfrutar dos amigos e da família, elaborar uma dieta equilibrada e saudável, etc.

Descansar corpo e mente não é um luxo para uma pessoa com trabalho estressante e cheio de responsabilidades. Tampouco é falta de profissionalismo ou sinal de ‘corpo-mole’. Cuidar da mente e do corpo é necessário para o êxito da sua carreira, já que permitirá que você enfrente o trabalho diário com toda a vontade do mundo. Se você está forte física e mentalmente, você toma decisões mais acertadas, fica com a mente mais alerta para discutir com empregados e fornecedores e, o mais importante, conseguirá prestar um excelente serviço ao seu cliente, o que é absolutamente necessário para qualquer bar, restaurante ou cafeteria que queira triunfar no complicado mercado do século XXI.

O ruído não é rentável para seu restaurante

O ruído desagradável, forte, continuo e indesejado não agrada a ninguém, e se seu bar ou restaurante está perdendo clientes e não sabe por que, talvez aqui você encontre a resposta!

Hoje, o blog Elegância a Mesa vai explicar como combater a contaminação acústica e proporcionar um bom serviço ao seu cliente, gerenciando um restaurante de forma saudável e rentável tanto para você como para os vizinhos do seu estabelecimento.

O assunto do ruído em restaurantes traz de volta um debate que já é clássico no setor de turismo, hotelaria e restaurantes: a contaminação acústica presente nestes locais, e os danos que provoca não apenas nos empregados e seus clientes, como nos vizinhos mais próximos, aqueles que tem o direito de sossegar sem musica alta ou gritos dos clientes de bares, cafeterias, pubs e restaurantes.

É importante garantir o conforto acústico a seus clientes e adotar uma série de medidas que ajudam a prevenir os graves problemas que o excesso de ruído gera:

  • Problemas auditivos no pessoal do local (garçons, cozinheiros, etc.)
  • Mal-estar entre clientes que estão tentando desfrutar de uma refeição ou uma janta mais ou menos tranquilas
  • Denúncias por parte dos vizinhos do local
  • Penalidades por infringir as leis municipais sobre barulho em locais e horários inadequados;

O ruído é um exemplo comum de atendimento ruim em restaurantes, pois é impossível desfrutar de uma refeição em um entorno barulhento, e além disso, comer com barulho tem consequências para a saúde, como por exemplo:

  • passar meia hora ou mais em ambientes com volume de som superiores a 75dB pode provocar perda temporária da audição;
  • ao trabalhar ou passar muito tempo em ambientes barulhentos, aumenta a probabilidade de problemas cardiovasculares, que vão desde o aumento da pressão até graves problemas cardíacos.
  • Uma pessoa submetida frequentemente a níveis altos de ruído desenvolverá com o tempo problemas estomacais como úlceras e gastroenterite.
  • Vizinhos submetidos de forma habitual a locais que emitem ruído superior a 55dB estão mais propensos a sofrer diversas alterações de sono, que logicamente desencadeiam estados de fadiga, baixa imunidade, ansiedade, depressão, etc;

 

Para reduzir o ruído, existem conselhos para minimizar tanto a entrada de ruídos externos, quanto a contaminação acústica provocada pelo próprio estabelecimento:

  • Isolamento do exterior: se nosso bar ou restaurante está em uma rua com muito tráfego, ou em uma zona de alta concentração de gente, o mais aconselhável é que isolemos acusticamente as paredes do local. Se o orçamento estourar, também podemos optar por outras soluções mais econômicas, mas eficazes, como janelas com vidro duplo, separar a zona do restaurante com duas portas, ou utilizar painéis de absorção acústica.
  • Isolamento da cozinha industrial: o ruído da cozinha é inevitável – ordens das comandas, ruídos de bater de pratos, copos, talheres, liquidificadores, batedeiras, e outros preparos dos ingredientes do menu… mas para minimizar a contaminação acústica da cozinha, existem várias opções: lava-louças de qualidade, que emitem pouco ruído, telas e protetores emborrachados onde se trabalha com pratos e talheres, sistemas de comunicação digital entre os garçons e a cozinha, etc.
  • Medidas de prevenção de ruído no salão: a pressa em atender os clientes faz com que o pessoal trabalhe em ritmo frenético e não perceba o barulho que está fazendo ao recolher mesas; os pés das cadeiras e mesas que não param de arrastar, o som da TV se mistura com o dos celulares e com a música ambiente, etc. Boas ideias para minimizar todo este ruído são as seguintes:
  • Formar e informar os funcionários sobre o problema do excesso de ruído e seus efeitos na saúde e bem-estar;
  • Colocar protetores sobre as mesas e superfícies para que absorvam o ruído lógico da manipulação rápida de pratos e talheres;
  • Protetores de feltro nos pés das cadeiras e das mesas do salão;
  • Escolher apenas uma fonte de som ambiental – televisão, rádio, playlist;
  • Utilizar máquinas de café de alta qualidade, que emitam o menor ruído possível ao moer o café.

Garantir o conforto acústico do seu restaurante, bar, cafeteria ou pub não é apenas uma das grandes estratégicas para melhorar o serviço de atendimento ao cliente, mas também um excelente investimento para cuidar da saúde de seus empregados e dos clientes que todos os dias frequentam seu estabelecimento.

, ,

Restaurante ecológico, uma nova tendência – parte 2

Em nossa última postagem sobre restaurantes ecológicos, definimos do que se tratam tais estabelecimentos e demos dicas sobre os alimentos que devem ser servidos. Agora, passamos para os aspectos mais burocráticos do negócio. Vamos lá?

 

A limpeza e a higiene

Sempre é importante cumprir as normas de vigilância sanitária em restaurantes, bares e cafés, mas como se aplicam estas normas em um restaurante ecológico? Adquira detergentes e sabão ecológicos, e métodos de limpeza tradicionais usados por nossos avôs: sabões artesanais fabricados com vinagre, limão e gordura, etc.

 

A economia de água

Um elemento básico na gestão de um restaurante ecológico é o respeito pelo meio ambiente e a ecologia. Deste ponto de vista, economizar água é essencial para gerir este tipo de restaurante. Quer saber como? [Clique aqui] e contamos em mais detalhes!

 

A economia de eletricidade

Um restaurante ecológico de verdade se preocupa em aproveitar ao máximo os recursos energéticos, sempre dentro da medida do possível. Por que dizemos isto? Porque hoje não é possível contar com eletrodomésticos de frio e calor, maquinário para embalagem à vácuo, maquinas de gelo, cafeteiras e moinhos de café, etc.

Mas o que podemos fazer é escolher eletrodomésticos de baixo consumo, aparelhos que consumam o mínimo de recursos necessários para atender seus clientes, deixando a menor marca possível no meio ambiente que nos rodeia.

 

o mobiliário consciente

Para compor um ambiente que esteja de acordo com a proposta ecológica, é importante pensar em materiais compatíveis com esta ideia. Mesas e cadeiras em madeira maciça, por exemplo, são ótimas escolhas.

Escolha empresas comprometidas com a sustentabilidade, como a Thonart, que entre outras iniciativas, trabalha com madeira proveniente de cultivo próprio, investe em pesquisas para identificar materiais com baixo impacto ambiental, mantém relações éticas com a comunidade onde atua, e mantém em dia suas licenças e cadastros nos órgãos competentes, como a FEPAM e o IBAMA.

 

Em resumo…

O boom de comida saudável, o respeito ao médio ambiente, sustentabilidade e ecologia promovem todo tipo de iniciativas relacionadas à gastronomia – pequenos mercados de agricultores locais, restaurantes veganos e vegetarianos, lojas virtuais de alimentos ecológicos, e, é claro, os restaurantes ecológicos.

A demanda do mercado está aí, você apenas precisa encontrar um bom local, adquirir o maquinário necessário e tomar nota destas dicas que demos para gerenciar um restaurante ecológico.

, ,

Evite erros na gestão de seu restaurante

Minimizar o trabalho da gestão de um restaurante é um erro grave, que pode custar tempo, dinheiro e saúde. Por isso, reunimos mais alguns erros comuns na gestão de um restaurante, que podem te ajudar a prevenir problemas futuros.

 

Economizar no investimento inicial

O que começa bem, termina bem. É um clichê, mas é perfeitamente válido para evitar o terceiro erro da lista – economizar nos elementos básicos que qualquer restaurante precisa para funcionar.

Estes elementos são muitos, e variados: o local em si (pintura, marcenaria, eletricidade e hidráulica), as instalações sanitárias, o equipamento de cozinha industrial, o mobiliário – mesas, cadeiras, booths, balcões, medidas de segurança e prevenção de incêndios, o pessoal de cozinha, bar, salão, administração e limpeza…

Abrir um restaurante exige um investimento inicial, e certas despesas deste budget devem ser enfrentadas de qualquer forma.

 

Contratar familiares sem experiência

O quarto erro é o mais comum entre empreendedores mais jovens: abrir um restaurante e contratar seus pais, irmãos, primos e amigos, sem que tenham a mínima experiência. Vemos este erro refletido claramente em reality shows como “Kitchen Nightmare”, mas ele continua se repetindo.

A equipe de um restaurante é fundamental para o sucesso ou fracasso de um projeto, e por isso é importante contratar o melhor chef que você conseguir, e recrutar garçons e garçonetes com experiência. Dessa forma, você poderá oferecer a seus clientes o nível de qualidade que eles estão pagando, e evitará infinitas discussões familiares que nunca acabam bem.

 

Ser igual aos demais

O Brasil é um país com mais de um milhão de estabelecimentos como restaurantes e bares. Esta é uma boa notícia para os clientes, para os setores de turismo e gastronomia, mas também é uma má notícia para empreendedores pouco criativos.

Abrir e gerir um restaurante hoje em dia exige ao investidor que libere a imaginação para se destacar entre a concorrência. Não adianta abrir um restaurante igual a todos os outros do bairro. Ser igual a todos é um erro grave, e por isso deve-se pensar em um restaurante diferente, original e único.

Mas de que formas pode-se diferenciar da concorrência direta?

  • Escolher uma temática gastronômica não-convencional: vegetariano, ecológico, infantil, pet friendly
  • Oferecer menus temáticos com prazos definidos – semana do vinho, mês dos frutos-do-mar, etc.
  • Combinando o negócio com outro segmento de lazer: música ao vivo, shows, etc.

 

Lembre-se destes detalhes quando chegar o momento de colocar em prática seu projeto de restaurante!

, ,

Restaurante ecológico, uma nova tendência – parte 1

Abrir um restaurante ecológico é uma ideia de negócio interessante, e um projeto perfeito para os empreendedores que queiram entrar em um nicho de mercado pouco explorado. Mas o que é um restaurante ecológico? O que precisamos saber para abrir este tipo de estabelecimento de forma rentável? O blog Elegância á Mesa vai explicar tudo para você!

 

O que é e o que não é um restaurante ecológico

Um restaurante ecológico se preocupa com o meio ambiente em todos os detalhes: desde a escolha de mobiliário fabricado com materiais sustentáveis (como a madeira), à compra de alimentos saudáveis de procedência local e elaborados com a menor quantidade possível de aditivos, a escolha de equipamento que conservem mais energia, produtos de higiene naturais, etc.

Ser um restaurante ecológico não é apenas pintar as paredes de verde, encher o local de plantas ou oferecer pratos vegetarianos.

 

Como gerenciar um restaurante ecológico

Existem pontos chave para gerenciar um restaurante ecológico de verdade – uma série de conselhos práticos que te ajudarão não apenas a abrir um restaurante deste tipo, mas também como divulga-lo como tal nas redes sociais. Confira:

 

Os produtos

O que distingue um restaurante ecológico de um restaurante “normal” é a escolha dos produtos básicos que você serve a seus clientes. Os alimentos que preenchem sua despensa devem proceder majoritariamente da agricultura, pecuária e pesca local.

Procure não comprar produtos que tenham sido fabricado a mais de 100km de sua localização geográfica e aposte nos pequenos produtores locais, que não usem pesticidas ou químicos para cultivar sua verduras e hortaliças.

A carne é um assunto mais delicado. Gerenciar um restaurante ecológico implica em apostar no tratamento digno dos animais da fazenda, sejam eles terneiros, cordeiros, vacas, galinhas ou porcos. Não é necessário que seu restaurante seja vegetariano ou vegano, mas é preciso que a carne oferecida a seus clientes provenha de locais onde os animais tenham sido criados da forma mais humana e digna possível.

 

Em nossa próxima postagem sobre o assunto, vamos tratar mais alguns aspectos muito importantes para seu restaurante ecológico – aguarde!